Projeto LIFE PAYT colabora com estudo da ASPEA sobre políticas públicas

A equipa do projeto LIFE PAYT do Politécnico de Coimbra reuniu com a ASPEA (Associação Portuguesa de Educação Ambiental) em Aveiro, no dia 17 de janeiro, para prestar alguns esclarecimentos sobre as atividades do projeto e colaborar com a investigação “Diagnóstico socioambiental participativo das políticas públicas de resíduos no Bairro da Forca, Aveiro”, desenvolvido por Ana Cristina Ferreira, doutoranda em Geografia da Universidade Autônoma de Lisboa (UAL).  Relacionado com o processo participativo, foram referidas algumas atividades da campanha de comunicação promovidas pelo projeto LIFE PAYT em Aveiro, com destaque para o Ecoquiosque, instalado no bairro da Forca Vouga, onde os funcionários da Câmara Municipal de Aveiro tiveram oportunidade de contactar diretamente com mais de 50% dos moradores do bairro, e onde foram distribuídos cartões electrónicos para abertura dos contentores e sacos para a separação de materiais recicláveis.

As dúvidas apresentadas pelos membros da ASPEA sobre os objetivos e metas do projeto LIFE PAYT foram contextualizadas pela coordenadora do projeto, nomeadamente o fato da aprovação de um novo tarifário PAYT pela Câmara Municipal de Aveiro não ser uma das metas do projeto. Em Aveiro, o projeto-piloto tem por objectivo apenas apresentar uma tarifa simulada, com base nas utilizações dos contentores, para mostrar aos moradores o que eles pagariam se estivesse em vigor o sistema PAYT. Com os esclarecimentos, o presidente da associação, Joaquim Pinto, mostrou-se positivo e reconheceu que em termos pedagógicos essa é uma estratégia que faz sentido. Também os cursos de compostagem e a distribuição de compostores pelos habitantes das moradias (com jardim) foram aspetos valorizados pela ASPEA como forma de reduzir os resíduos orgânicos e fomentar a consciencialização ambiental.

A equipa do projeto LIFE PAYT concordou ainda com a necessidade de disponibilizar no Website todos os resultados obtidos até ao momento. Por fim, as duas partes concordaram que existe espaço para colaboração, especialmente no que diz respeito à educação ambiental.

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: