Aveiro

Em que consiste?

O LIFE PAYT é um projeto europeu que está a decorrer em Aveiro no bairro da Forca Vouga e em mais 4 cidades portuguesas e europeias. Este projeto, pioneiro em Portugal, usa contentores inovadores que conseguem medir os resíduos neles depositados e incentiva a recolha seletiva dos resíduos recicláveis com valor.

O que vai ser feito?

Vai ser testado um modelo de tarifação de resíduos PAYT “Pay-as-you-throw”, que significa pagar apenas o que se deita fora.

Poupar o custo do tratamento dos resíduos a quem usa os ecopontos.

Melhorar o serviço de recolha e tratamento de resíduos e reduzir a tarifa cobrada aos cidadãos e empresas.

Encorajar práticas de prevenção e redução de resíduos.

Contribuir para que Portugal atinja as metas nacionais na área do ambiente.

Implementação em Aveiro

  • Envolve 1461 habitantes e 123 estabelecimentos comerciais
  • Substitui 26 contentores coletivos de resíduos por contentores com chave RFID
  • Distribui 100 compostores domésticos no bairro da Forca Vouga
1 família residente no bairro da Forca Vouga irá, por ano:
  • produzir menos 253 kg de resíduos indiferenciados;
  • emitir menos 73 kg de gases com efeito de estufa
  • enviar para reciclagem mais 179 kg de resíduos
O que devo fazer?

O utilizador deve colocar os seus resíduos indiferenciados num dos contentores identificados, ao qual terá acesso através de um cartão individual de identificação. Estarão disponíveis guias técnicos e um portal de suporte da implementação do PAYT a nível municipal.

Como estou a ajudar o ambiente?

Ao depositar menos resíduos indiferenciados e separar mais estaráa diminuir os resíduos enviados para aterro e a contribuir para aumentar a reciclagem. Estarádeste modo a impulsionar a economia circular e a sustentabilidade ambiental, reduzindo a sua pegada de carbono.

Quais as minhas vantagens, em termos económicos?

Este é apenas um projeto piloto. Num sistema tarifário PAYT o utilizador paga apenas os resíduos indiferenciados que produz, e não um valor que depende do consumo de água, como hoje. No fim do mês, a fatura da água irá mostrar o valor que pagaria se o tarifário PAYT estivesse em vigor, ao lado do valor que paga atualmente, permitindo comparar os custos. Quanto mais usar o ecoponto e menos resíduos produzir menor será o custo associado.

Aveiro é uma cidade Portuguesa de dimensão média (pop. 78.450 habitantes, dados dos Censos 2011), sendo os serviços, o turismo e industria como principais setores de atividade económica. O projeto irá intervir no bairro urbano da Forca, uma zona com 1461 habitantes que se encontra localizada no coração da cidade. Esta zona foi escolhida como representativa de uma zona urbana mista, em que prédios e moradias unifamiliares partilham o mesmo espaço com o comércio e outros serviços, maioritariamente restaurantes, escolas e escritórios.

Área de intervenção em Aveiro

A implementação do projeto nesta área irá implicar alterações de fundo ao sistema de contentorização atualmente em uso. Os contentores de rua de 800L para recolha de resíduos urbanos indiferenciados, e que são atualmente de acesso livre, passarão a ser abertos com uma chave, em forma de cartão, que contem a identificação do utilizador. O cartão abre um compartimento localizado na tampa do contentor onde é possível colocar os resíduos a deitar fora. Ficarão registadas todas as vezes que um determinado morador utiliza o contentor para colocar os seus resíduos, e essa informação será enviada via GPRS para uma plataforma centralizada, para processamento.  O volume de resíduos depositado por cada morador é depois calculado com base no número de vezes que acedeu ao contentor e no volume do compartimento onde coloca o lixo. Esta informação é utilizada para elaborar a fatura mensal desse morador.

A identificação do utilizador através de um cartão de acesso é essencial fazer a correspondência entre a quantidade de resíduos deitada fora e valor a pagar, permitindo monitorizar as quantidades de resíduos produzidas e eventualmente otimizar as rotas de recolha.

Além da identificação dos utilizadores durante o projeto será também feito o upgrade dos veículos de recolha e incentivada a compostagem doméstica no caso das moradias unifamiliares. Para isso serão distribuídos aos moradores que assim o desejarem um kit de compostagem doméstica e serão realizados workshops de iniciação à compostagem. Estas ações serão complementadas pelo acompanhamento técnico da compostagem durante o projeto, que será realizado por uma equipa especializada e pela montagem de um sistema de “mestre compostor” ente a comunidade alvo, que dará apoio mesmo após o fim do projeto.

Ao contrário do que acontece nas outras áreas de intervenção do projeto em Portugal, em Aveiro a recolha de indiferenciados está subcontratada a uma companhia privada e, portanto, encontra-se fora da alçada direta da autarquia. A subcontratação da recolha de resíduos é uma prática corrente em Portugal e esta situação tem necessariamente que ser tida em conta na definição da estratégia de implementação de um sistema PAYT. Uma outra diferença da área de intervenção de Aveiro é a utilização de contentores fechados, que constitui uma alteração de fundo ao sistema de recolha que até agora tem sido prática comum em Portugal. Esta solução técnica é mais dispendiosa e pode levar a comportamentos inadequados por parte dos utilizadores, nomeadamente a deposição de sacos com resíduos no exterior do contentor. Mostrar se, e como, esta solução técnica poderá ser implementada em zonas residenciais e mistas em Portugal é uma das conclusões importantes a retirar desta área de intervenção.

CC BY 4.0 Aveiro by LIFE PAYT is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.